sábado, 21 de junho de 2008

Romance da Volta do Reino



Cordel de autoria de Guilherme de Faria

1
Neste vale acachapado
Sob este sol inclemente
Um ranchinho apetrechado
Foi ficando decadente

2
Com um cercado de cabras
O poço sob um telheiro
Um paiol de espigas magras
E um pobre galinheiro

3
Agora já faz dois anos
Que foi de todo arrasado,
Da madeira espoliado,
Por um povo de ciganos.

4
Que por aqui passava
Como um rastro de fumo
Mas que nem erva deixava
Como o cavalo do Huno.

5
Mas é que o arrendador
Já o tinha abandonado.
Esse pobre morador
Tinham ouvido o chamado

6
De um taumaturgo profeta
Que lhe tinha acenado
Com a salvação como meta
De um Reino destinado

7
Onde o rei Dom Sebastião
Todo de aço armado
Urdia a volta e o primado
Do seu Reino do Sertão.

8
O Dião largou a enxada,
Com a Letícia e a filharada
( Esse o casal conclamado
Para fundar o reinado )

9
Deixou pra trás o que tinha
E que era muito pouco
Pois só tinha uma galinha
Magra demais pro choco

10
Que ovos de ouro não bota
Quanto mais os de comer,
Que quando um sonho desbota
Não há mais o que fazer.

11
Seguiram o povo doído
Antes que eles também
Tivessem o corpo moído
Pela fome e o desdém.

12
Dizem que a procissão
Percorreu todo o Sertão
De Pernanbuco e Alagoas
Cantando hinos e loas

13
E fazendo uma espiral
Na Pedra do Reino chegou
Onde seu rastro, afinal,
Na areia se apagou.

14
Nunca mais foi avistado
Nem por quem me foi contado:
Um sujeito bem trajado
Sentado ali ao meu lado

15
Me deu notícia do Dião,
De Letícia e os bacuri,
A mim, que a recepção
Fidalga lhes conheci.

16
Na pobreza como um rei
Em sua hospitalidade
Como prova de bondade,
O que nunca esquecerei.

17
O homem me descreveu
A cena sem que eu pedisse
E ela me pareceu
Como se eu próprio visse:

18
“ Na qualidade de guarda
Na divisa eu estava:
Percebi a espingarda
Que o Dião carregava

19
A dez passos contados
Da Letícia e dos filhinhos
Ainda mais depauperados
Nesse deserto sozinhos.

20
Achei melhor divisar
À distância que o Dião
Dava medo de se olhar
Ereto que estava tão

21
Pra quem tinha andado tanto
Girando neste sertão
Com o olhar desvairado
De quem já viu Sebastião.

22
Por isso, moço, desista
Desse casal exaltado
Que é provável que ainda insista
No seu sonho acordado.

23
Nesta terra seca e dura
O coração que tem fé
Encontra sempre a abertura
Do Reino da Alta Sé.

24
Que vem subindo mui lento
Neste solo abençoado,
Por cima bem disfarçado,
Aguardando o Advento”

25
“Da grande transformação:
O Sertão mar vai virar
Pr’ onde a gente vai mudar,
Que o mar vai virar Sertão.”

26
“Mel e leite fluirão
Sob um sol que não escalda,
Que abrirá o Pavão
Como cometa sua cauda”

27
“Para a noite constelar
Co’aquelas estrelas-olhos
Como no mar os abrolhos
Voando sem assustar

28
As crianças em seu berço,
Que ele virá mais cedo:
Co’as velhas puxando o terço
Nas novas noites sem Medo!”


FIM

18/ 08/2002

4 comentários:

Corso disse...

Olá!
Agradeço o comentário. Estava bisbilhotando seu blog. Adorei o cordel! Muito bem estruturados.
Além, as pinturas são maravilhosas!
Peço permissão pra colocar uma das suas pinturas no meu blog (?), com um link para o teu espaço.
Voltarei sempre, ousado Guilherme!

Grande abraço!

Guilherme de Faria disse...

Tem toda, caro é uma honra!
Sirva-se. Os poemas do Corso são verdadeira poesia,original, viceral, forte. Quanto a mim sou um humilde cordelista.
Abraço grato do Guilherme

CINTIA THOME disse...

Guilherme

Por ter sido indicada agora indico o seu blog e estes outros, se aceitarem, para usar o Selo "Prêmio Dardos" em sinal de admiração pela contribuição literária e cultural dos mesmos.
Visite meu blog e veja abaixo dos posts como salvar o selo e as regras do prêmio.

Indico os Blogs de:www.mude.blogspot.com - www.cordasensivel.blogspot.com - www.guilhermedefariacordel.blogspot.com - www.intactaretina.blogspot.com - www.francinneamarante.blog.uol.com.br - www.aguasdemarte.blogspot.com - www.coisaegente.blogspot.com - www.babalonzinha.blogspot.com - www.mrobalinho.blogspot.com - www.versosbarbaros.blogspot.com - www.benny-franklin.blogspot.com - www.apaginabranca.blogspot.com -
www.poetarangelcastilho.blogspot.com

Eliana Mara disse...

Gostei muito.
Posso passar para meus alunos lerem?
sou professora de literatura na UFBA e estou trabalhando com o tema da invenção do Nordeste.

Gostei muito do seu trabalho.
Volto mais vezes!